A resposta, como quase tudo na vida, é relativa. No entanto, existem alguns pontos que facilitarão a resposta desta pergunta. Confira!

Qual a finalidade do carro?

Antes de tudo, você precisa ter clareza sobre a finalidade do carro que você quer adquirir. É para trabalhar no dia a dia? Ou apenas para passeio nos finais de semana? Você o usará para longas viagens? Ao responder tais questões, a finalidade dele estará esclarecida. E pense bem: ainda que inicialmente seja para passeio, é bom lembrar que, se quiser trabalhar com ele no futuro, o veículo pode ter que atender a algumas exigências.

É seu primeiro automóvel?

Geralmente, ao tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), todo mundo sonha com um carro zero quilômetro, de preferência do ano. No entanto, é preciso ponderar que os novos motoristas tendem a ser mais inexperientes. Por isso, comprar um carro novo pode significar prejuízo. Isso porque as marchas trocadas em momentos errados, freadas bruscas ou esbarrões danificaram e desvalorizam muito um carro novo. Sem falar que o seguro de um carro novo já é alto, mas quando é o carro de um motorista inexperiente, é ainda maior.

Já calculou os custos com manutenção?

Além do seguro, que já citamos, é preciso ter em mente que um carro novo ou usado demanda manutenção. Porém, os custos com a manutenção de um carro usado tendem a ser maiores, visto que ele tem tempo de uso maior. E não adianta, por mais que o dono anterior tenha tomado os cuidados básicos para manter o carro impecável, não é possível impedir o desgaste natural do automóvel. Além disto, os veículos novos geralmente têm a garantia de fábrica, o que reduz ainda mais os custos com a manutenção, e tecnologias modernas para economizar combustível.

Você sabe o que é depreciação?

A depreciação de um bem é a perda de valor do mesmo em relação a um novo, conforme o seu uso. Como exposto no telejornal Hora 1, da TV Globo, quando você sai da concessionária com um carro novo, ele já perde cerca até 20% do seu valor. Isso porque ninguém pagaria o preço de um carro que está na concessionária em outro que está sendo vendido por um desconhecido. Por isso, os carros usados tendem a ter uma depreciação menor do que os modelos novos. Além disto, existe o prejuízo causado pelo uso do veículo, o desgaste natural.

Então, carro novo ou usado?

A decisão é realmente difícil, pois envolve tanto questões práticas, tais quais as apontadas acima, como questões emocionais, tal qual o prazer de dirigir um carro novinho. Por isso, não existe certo ou errado. A escolha entre um carro novo ou usado é muito pessoal e deve ser bem pensada, sem ansiedade. Aliás, vale lembrar também que, muitas das vezes, o valor que você paga em um carro novo, sem opcionais, é o mesmo valor de um carro usado, completíssimo.

Agora, se você optar por um carro usado, confira como fazer uma compra segura em nosso blog. E não deixe de nos acompanhar no Facebook e Instagram para ficar por dentro de todas novidades.